sábado, 26 de julho de 2014

Santiago do Chile - Dicas gerais

Depois de escrever sobre o Vale de Casablanca e Vale Nevado, trazemos para vocês nossas dicas sobre a sua capital, Santiago de Chile, ou Santiago do Chile em bom Português.



Não viaje sem ler e nos diga na sua volta o quanto te ajudamos.



Veja também o roteiro das atrações que visitamos em Santiago.

Ainda não reservou seu hotel? Temos 10 dicas de hotéis pra você.



Um pouco de história e cultura

Não se sabe exatamente quando os primeiros povos chegaram ao território chileno, mas há teorias que seriam coletores vindos da Ásia através do Estreito de Bering e algumas descobertas realizadas na região de Puerto Montt indicam que datam de 13.000 anos atrás. Estima-se que o fluxo tenha se encerrado há cerca de 10.000 anos.

Aproximadamente em 6.000 a.C., povos como Aimarás, Atacamenhos e Diaguitas viviam na região dos Andes e Atacama. Na região da Patagônia, viviam povos como os Chonos, Kawéscar, Yámanas, Tehuélches e Onas.

Durante o século XV os Incas chegaram a dominar até a região de Santiago, mas seu controle era precário e frágil culminando com a guerra civil iniciada após a morte do Imperador Huayna Capac em 1527.

Já sob domínio espanhol, em 1535, Diego de Almagro foi o primeiro a explorar o território chileno, mas ele não obteve sucesso em ir além do Vale do Aconcágua. Pedro de Valdívia o superou em 1541 quando ele fundou a cidade de Santiago de la Nueva Extremadura em 12 de fevereiro.

Dentre os povos aborígenes, os Mapuches foram os que maios resistiram ao domínio espanhol, trazendo problemas para os conquistadores por mais de três séculos.

O início dos movimentos de independência se deu a partir de 1810 quando comandados por Bernardo O'Higgins formaram uma junta de governo resultando numa reação espanhola que levou vários deles à prisão em 1814. Seu comandante se juntou ao argentino General San Martín na cidade de Medoza até que, três anos depois, o Ejercito de los Andes de San Martín tomou a capital chilena. 

Nesta época o território chileno se limitava ao norte até a cidade de Copiapó. A região era rica em salitre e pertencia à Bolívia e ao Peru. 

Em 1879 militares chilenos tomaram a cidade portuária de Antofagasta numa tentativa de driblar o pagamento de impostos de exportação. Estava declarada a Guerra do Pacífico tendo como vencedor o Chile e como consequência a tomada do Peru das regiões de Arica e Tarapacá, e o fechamento da saída da Bolívia para o mar.

Ao sul, abaixo da cidade de Conceptión até o norte da Patagônia, quem dominava eram os índios araucanos. Diversos tratados firmados com os Mapuches a partir de 1881 permitiram o desenvolvimento da região principalmente com a chegada de imigrantes alemães na região dos lagos.

Em 1914, a abertura do Canal do Panamá reduziu o tráfego através do Cabo Horn e trouxe o declínio para o até então próspero porto de Valparaíso.

Quase um século depois da sua independência, o Chile teve um dos seus momentos mais sombrios poucos anos após a eleição do esquerdista Salvador Allende em 1970. Nacionalização de minas de cobre, aumento do deficit e proximidade dos países comunistas culminaram com o sangrento Golpe militar de 1973 quando o General Augusto Pinochet, seu antigo Comandante Supremo das Forças Armadas, liderou um golpe militar apenas 3 semanas após sua nomeação, resultando na morte do presidente num suposto suicídio até hoje contestado.

Apesar de bastante sangrento e longo (de 1973 a 1990), o governo militar modernizou o estado chileno e permitiu que se tornasse uma das economias mais modernas da atualidade.


Quando ir

Santiago é uma cidade cosmopolita e cheia de atrações que podem ser visitadas em qualquer época do ano. 

Maio e junho são os meses de maior precipitação pluviométrica, mas é também o início da temporada de esqui e consequentemente de maior fluxo turístico.

Se você quiser passear e não fizer questão de ver neve, opte pelos meses de setembro a novembro quando o clima está mais ameno e é ideal para passeios diversos.

Se pretende conhecer algumas das suas estações de esqui, elas abrem normalmente em meados de junho e assim permanecem até final de setembro, podendo se estender um pouco mais dependendo do tamanho das nevascas.

De dezembro a fevereiro chove muito pouco, mas o clima fica bastante quente chegando até próximo dos 30 graus Celsius.



Onde ficar

A cidade fica bem no meio das cordilheiras dos Andes e a Costeira. São 32 bairros, ou comunas, mas suas principais atrações ficam bem nos bairros centrais.

Sua principal artéria é a Av. O'Higgins, ou Alameda, como é mais conhecida. Ela corta a cidade de leste a oeste. A leste da Plaza Italia se chama Av. Providencia e mais a frente Av. Apoquino. O metrô Linea 1 a corta em quase toda sua extensão.

Rio Mapocho corta a cidade e ao seu longo situam-se as principais atrações e bairros. É a fronteira entre o centro e o subúrbio no norte.


Booking.com


Se você procura sofisticação, hospede-se nos bairros VitacuraEl Golf ou Las Condes (conhecida com Sanhatan pela arquitetura moderna).



Nós nos hospedamos por duas vezes no bairro da Providência e ficamos muito satisfeitos com nossa escolha. Ficamos perto de centros de compras, principais atrações e El Centro, além de metrô bem próximo.


Na primeira passagem pela cidade ficamos no hotel Las Hortensias. Não gostamos dele porque tivemos alguns problemas com a infraestrutura e com o café-da-manhã do hotel (piso de madeira com pedaços soltos, coberta da cama suja, apesar do lençol estar limpo, aquecedor só funcionou uma noite e box do banheiro muito pequeno). Entretanto, o atendimento é bastante atencioso, há depósito de bagagem, estacionamento e a localização é muito boa. Outro fator que pode pesar positivamente é o preço, mais em conta que os demais hotéis da vizinhança. 

Nossa avaliação no Booking.com foi 5,8 e a média quando escrevemos este post era de 7,7.

Na segunda passagem pela cidade nos hospedamos no Ibis Santiago Providencia. Em relação ao tamanho e conforto dos quartos, não há novidades, é padrão Ibis. O diferencial é mesmo a localização. Tivemos uma boa surpresa com a fartura e variedade do café-da-manhã, apesar de uma certa demora na reposição da comida. 

Um detalhe: segundo um dos recepcionistas, cerca de 80% dos hóspedes do hotel são brasileiros, talvez por isso eles tenham uma atenção especial a nós.

A nota do hotel no Booking.com era de 8,1 quando escrevemos este post.

Nós não recomendamos a hospedagem no centro da capital chilena (El Centro) e os motivos são os mesmos de qualquer capital da América do Sul, inclusive as mais seguras. Você tem tranquilidade para caminhar nos dias e horários comerciais, mas o mesmo não se pode dizer das noites, finais de semana e feriados.

Nós fizemos uma seleção de hotéis especialmente para te ajudar nesta escolha.

A voltagem elétrica é de 220 v (50 Hz) em todo o Chile.


Quanto tempo ficar

Sua escolha de quanto tempo ficar irá depender primeiramente da sua pretensão de visitar alguma estação de esqui. Então vamos considerar a sua permanência descontando estes dias, tudo bem?

Fique pelo menos 5 dias na capital chilena. Sugerimos o seguinte roteiro:

Dia 1: El Centro
Dia 2: Parque Metropolitano e Bella Vista
Dia 3: Providência, Las Condes, Vitacura e arredores
Dia 4: Vinícolas (sugerimos algumas ainda neste post)
Dia 5: Isla Negra, Valparaíso e Viña del Mar



Com ou sem guia de turismo

Se você fala Português, com um pouco de boa vontade na comunicação você não precisará de guias de turismo em Santiago. Vários estabelecimentos entendem muito bem nossa língua. Sendo bem sincero, a cidade está verdadeiramente i-n-v-a-d-i-d-a por brasileiros de todos os lugares.

Para ter uma visão geral da cidade, uma opção interessante é o ônibus panorâmico Turistik. Achamos caro para o que oferece, mas útil se você tem pouco tempo na cidade.

O preço é de CLP20.000 (US$36.70) por pessoa com direito um dia de acesso ilimitado.



Dinheiro

A moeda oficial do Chile é o peso chileno (CLP) e suas notas são impressas nos valores de CLP500, 1.000, 2.000, 5.000, 10.000 e 20.000. As moedas são cunhadas nos valores de CLP1, 5, 10, 50, 100 e 500.

A cotação média que encontramos nas casas de câmbio foi de US$1.00 para cada CLP545. Evite as casas de câmbio do aeroporto, pois elas cobram taxa em cima do valor da cotação. Trocamos moeda no centro de compras Costanera Center sem taxa. Há cotações ainda melhores no centro.

Uma forma bem simples de calcular os valores em R$ é multiplicar por 4 e tirar três zeros do total. Então CLP10.000 = 10.000 * 4 / 1.000 = R$40,00.

Alguns estabelecimentos aceitam pagamento em US$, mas a cotação normalmente não é boa e ainda cobram taxa. Confira antes de fechar a compra ou pagamento.

É comum encontrar boas cotações para câmbio de R$. Nós encontramos R$1,00 sendo trocado por CLP230, ou seja, financeiramente igual a trocar US$. Portanto, não é necessário trocar R$ por US$ no Brasil para viajar para Santiago, a não ser que você não vá inicialmente para a capital chilena. Neste caso, recomendamos levar US$ ou Euros para não ter problemas.

Se sua dúvida é usar ou não cartões de crédito, o Governo Brasileiro inviabilizou a sua utilização recentemente com o aumento da cobrança do IOF para 6,38%. O melhor mesmo é levar R$ em espécie ou mesmo usar o cartão de débito, mas é bom checar antes se seu banco cobra alguma taxa pelas operações com cartão fora do país.



Obs.: Alertamos que todas as cotações aqui informadas são pertinentes a março/2014, portanto é importante que o leitor verifique novamente na data de sua viagem.


Vistos, vacinas e saúde

Os brasileiros não necessitam de visto ou vacinas para entrar no Chile. Entretanto, para obter a isenção do IVA (imposto) é necessária a apresentação de passaporte.

Em relação à sua altitude, seus pouco mais de 500 m não são suficientes para o mal de altitude. Porém, se pretende ir a alguma das suas estações de esqui tenha cuidado, pois acima dos 2.500 m o soroche costuma dar as caras e ao menor sinal de mal estar diminua o ritmo para não ter complicações.

Apesar de potável, consumir a água santiaguina direto da torneira pode trazer problemas gastro-intestinais devido ao alto teor de minerais. É melhor consumir água engarrafada.


Compras


Tenho certeza que você não vai querer ir embora do Chile sem levar ao menos uma lembrancinha feita da sua pedra semi-preciosa lápis-lazúli, afinal ela só existe aqui (cuidado com as falsificações!) e no Afeganistão. 

Nós compramos um moai no alto do Cerro San Cristobal (CLP15.000/US$27.52) e acabamos pegando uma dica com um dos vendedores: San Antonio, no centro, é onde eles compram as mercadorias feitas com a famosa pedra chilena. Não conferimos a dica. Se você tiver a oportunidade e puder nos contar como foi será um prazer para nós publicarmos.

Você encontrará mercados de artesanato, roupas e lembranças diversas no centro onde tem de tudo, desde produtos locais a orientais. Nós compramos dois pulôveres bem próximo à Plaza de Armas por inacreditáveis CLP3.000 (US$5.50). Há um mercado bem em frente do Cerro Santa Lucia, Feria Artesanal Santa Lucía.


Gastronomia e vida noturna

Se pretende visitar o Mercado Central, saiba que os mariscos chegam às quartas-feiras, sábados e domingos. Então vá nestes dias para encontrá-los no máximo do seu frescor.

Apesar de ser o de presença mais marcante e talvez o mais conhecido restaurante do Mercado Central, achamos o Donde Augusto caro demais comparado com os outros restaurantes. Você pode encontrar opções tão boas e mais baratas nas suas imediações. Portanto, não caia na sedução dos seus garçons (eles ficam na entrada do mercado abordando insistentemente quem entra), até porque depois que você se sentar eles irão praticamente te abandonar (o serviço não é bom). Ah, para ser justo tenho de dizer que a comida é boa. 

Embora o número de restaurantes dos mais diversos tipos de gastronomia esteja em alta, o ponto forte de lá e sua maior especialidade continua sendo mesmo os pescados e frutos do mar. Então, se não quiser arriscar, esta deve ser a sua melhor escolha. 

O bairro de Vitacura possui alguns dos melhores e mais sofisticados restaurantes da cidade, como o Osadía, o Boragó e o Kook

Se você quiser agito e opções variadas, seu lugar é o Bella Vista, seja na Calle Constituición (Como água para chocolate, Azul profundo, Santiago Colonial etc.) ou mesmo no Patio Bella Vista onde há opções para todos os gostos.

Um pouco mais distante, o Parque Bicentenário abriga o badalado restaurante Mestizo.

Almoçar e jantar tarde é costume local (almoço por volta das 13h30 e jantar depois das 22h30), principalmente nas sextas-feiras e sábados.

É de praxe deixar 10% de gorjeta nos restaurantes, apesar de não ser obrigatório.



Vinhos, vinhos, vinhos ...

A vinícola chilena mais conhecida dos brasileiros é sem dúvida a Concha y Toro. Se quiser chegar lá sem depender de agências de turismo nem pagar caro por um táxi, pegue o metrô até a estação de Puente Alto (Línea 4) e de lá pegue um táxi para a vinícola (são apenas 1,2 Km.). É obrigatório fazer reserva com antecedência. Pode ser feita pela internet.

Outras opções bem pertinho de Santiago são Cousiño Macul, Santa Rita e Undurraga.

Se quiser outras opções menos conhecidas, temos duas para você a algumas dezenas de quilômetros da Capital Chilena: 


O Vale de Casablanca se destaca com seus vinhos brancos. Algumas das suas principais vinícolas são a Matetic, Casas del Bosque, Indomita, William Cole, Emiliana, Casa Marín, Casa de Morande e Veramonte.

Se os seus preferidos são os tintos, uma boa pedida é o Vale de Colchágua com vinícolas como a Lapostole, Casa Silva, Vila Montes, Viu Manent e Santa Cruz.

Para comprá-los em Santiago, procure La vinotecaEl mundo del vino ou El cielo (mais barato/fica no centro).


Transporte

A eficiente rede de metrô cobre boa parte das principais atrações da cidade e você deve usá-la sem moderação. A única ressalva de uso do metrô santiaguino é nos horários de pico quando ele fica extremamente cheio.

Durante a semana ele funciona das 5h40 às 23h30, aos sábados das 6h30 às 23h00 e aos domingos e feriados das 8h00 às 22h30.

Para evitar filas na compra dos tíquetes, recomendamos que compre o cartão recarregável BIP! (são válidos também nos ônibus). Ele pode ser adquirido nas estações pelo custo de CLP1.400 (US$2.57) e cada viagem custa cerca de CLP620 (US$1.14), dependendo do dia e horário.



O táxi do aeroporto para o bairro da Providência custa cerca de CLP18.000 (US$33.00). Como éramos em quatro e com (muita!) bagagem, preferimos pagar um transfer na Delfos logo na saída da área de desembarque. Pagamos CLP19.000 (US$34.86) e tivemos um excelente serviço. Guarde o telefone deles para reservar a volta (f. 2913-8800 ou reservas@transferdelfos.cl), senão vai pagar mais caro pelo táxi (pagamos CLP25.000/US$45.87).

Ainda em relação aos táxis, infelizmente encontramos vários "espertinhos" que fizeram as corridas mais longas que o que seria correto (uma corrida de CLP1.700 virou CLP3.000). Veja mais detalhes no post do Como água para chocolate.

Se pretende alugar um carro, prepare-se para ter dificuldades com o trânsito e principalmente para estacionar. Numa cidade com metrô eficiente, só recomendamos esta opção para quem pretende conhecer outros destinos.

Aqui o uso do cinto de segurança também é obrigatório, e falar ao celular ou sob influência de álcool são crimes, este último considerado delito grave.


Segurança

Como qualquer metrópole do mundo, a capital chilena requer os mesmos cuidados de praxe com seus pertences para não ser vítima dos batedores de carteira, mas pode ser considerada bem mais segura do que as demais capitais da América Latina.

Entretanto, há algumas regiões que requerem maior cuidado, como sua região central (próximo ao La Moneda) e o Parque Metropolitano à noite.

A polícia chilena, conhecida como Carabineros de Chile, são famosos pela rigidez moral, respeito e até uma certa truculência. Portanto, respeitar a eles e às leis do país é mais que uma obrigação, é até uma regra básica para quem não quer ter problemas enquanto visita o país.


Acompanhe outras publicações da nossa viagem pelo Chile, Colômbia e Peru.




#Chile #SantiagodoChile #Santiago

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...