segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Roteiro em Palermo, Buenos Aires

Acreditamos que o sonho de todos que vivem numa grande cidade é que ela tenha bastante área verde, parques para as crianças, vida cultural intensa e bons restaurantes. Mas será que dá para juntar tudo num lugar só? A resposta está no bairro de Palermo em Buenos Aires.



E ainda tem zoológico, planetário e jardim botânico! Já pensou?

A primeira coisa a saber sobre Palermo é que ele foi dividido em áreas menores de tão grande que é. São estas:

Palermo Viejo: formado pelo SoHo e Hollywood. Os dois são separados pela linha do trem (paralela à Av. Juan B. Justo).

Palermo SoHo: região da maior parte dos hotéis e das melhores lojas de roupas e de decoração. O entorno da Plaza Cortázar (antiga Plaza Serrano) é o coração da região. 

Palermo Hollywood: muito bom para comer, pois é onde estão alguns dos mais refinados restaurantes portenhos. Chama-se Hollywood devido à grande quantidade de estúdios de gravação instalados no local.

Palermo Chico: região dos famosos Bosques de PalermoJardin BotánicoJardín Japonés e do Malba.

Las Cañitas: região frequentada por quem quer ver e ser visto. É a balada da moda. Fica na região próxima a Belgrano.


Recomendamos que você dedique ao menos dois dias para conhecê-lo com calma, um dia para o Palermo Chico e outro dia para Palermo Viejo



Palermo Chico

Começamos nosso roteiro pela Plaza Itália onde há uma estação de metrô (linha D) bastante acessível para quem está hospedado em outros bairros.



Jardín Botánico Carlos Thays

O jardim botânico de Buenos Aires foi aberto em 1898 e é mais uma das belas obras do paisagista francês Carlos Thays. Ele morou numa casa nos seus jardins enquanto foi Diretor dos parques e passeios públicos (1892 a 1898). Sua casa abriga hoje uma biblioteca de botânica.



Das suas cinco estufas, a mais importante foi trazida de exposição de Paris de 1900. Foi construída em ferro e vidro em estilo art noveau.



O jardim exibe mais de cinco mil espécies de plantas entre fontes e estátuas clássicas. É um ótimo espaço para caminhada, botar o papo em dia ou dar uma relaxada do estresse do dia-a-dia. 



Preço da entrada: Gratuito
Horário de abertura
Segunda-feira a sexta-feira das 08h00-18h00
Sábado e domingo das 09h30-18h00
Feriados das 11h00-18h00.


Museo Evita

A vida de Eva Perón foi como a de uma estrela super-nova: rápida e com um brilho sem igual. Só conhecendo mais sobre quem ela foi dá pra entender o porquê de tanta idolatria e até santificação que o povo argentino tem por ela. Nós aprendemos a admirá-la também.



A bela casa onde fica o museu pertenceu à família Carabaza. Era usada até 1948 como abrigo para mendigos quando foi comprada pela Fundação de Auxílio Social Eva Perón. Passou a ser abrigo para mulheres carentes que se mudavam para Buenos Aires em busca de emprego. 



Ele consegue mostrar de forma muito bem estruturada quem ela foi através de um vasto acervo, desde peças de vestuários a vídeos e áudios da sua carreira como atriz de rádio, teatro e cinema de 1934 a 1945.



Preço da entradaAR$40 (R$11,11)
Horário de abertura
Terça-feira a Domingo das 11h00-19h00.


Zoológico de Buenos Aires

Há algo de diferente no zoológico de Buenos Aires: ele reproduz o ambiente de onde os principais animais vieram. Há até algumas construções típicas de cada região. Então você irá encontrar um templo indiano no meio dos elefantes, um pavilhão chinês entre os pandas etc. 



Outro destaque legal é o espaço reservado para algumas espécies. 



O zoológico funciona no mesmo lugar desde 1888. Atualmente possui mais de 2.500 animais numa área de 18 ha.


Infelizmente ele está um pouco abandonado, talvez por ter perdido público para o polêmico concorrente de Luján. Mas isto não tira a beleza das suas instalações e dos seus animais.



Preço da entradaAR$150 (R$41,67)
Horário de abertura
Terça-feira a Domingo 
    Outubro-Março das 10h00-18h00 / Abril-Setembro das 10h00-17h00
Segunda-feira fechado.



Parque Tres de Febrero (bosques de Palermo)

É irônico que o parque símbolo de toda área verde do bairro já pertenceu a um ditador: Juan Manuel Rosas. Foi somente após a sua derrota em 3 de fevereiro de 1852 (daí vem o nome do parque) que ele foi aberto para o público. Em 1874 foi transformado em parque inspirado no Bois de Bologne de Paris e no Hyde Park de Londres. Como o Jardín Botánico, também é obra do paisagista Carlos Thays.



Durante os finais de semana, o parque fica repleto de famílias fazendo piquenique, caminhando, andando de bicicleta etc. 

planetário e o rosedal ficam dentro do parque.



Planetário Galileo Galilei

Parece até um disco-voador, não parece? O planetário de Buenos Aires apresenta de hora em hora espetáculos diversos sobre o cosmos. A área em volta dele também é muito legal.


Preço da entrada: varia de acordo com o espetáculo
Horário de abertura
Terça-feira a Sexta-feira das 13h00-16h30
Sábado, domingo e feriados das 14h00-18h00.


Rosedal

O rosedal abriga mais de 12 mil roseiras, além de um lago com pedalinhos. É um dos mais belos lugares do parque. Também nas suas dependências, o Jardín del Poeta exibe bustos de vários poetas famosos, como García Lorca, Shakespeare e Jorge Luis Borges.


Jardín Japonés

É incrível a serenidade transmitida por esta pequena parte do Japão em plena Buenos Aires. Seus jardins, pontes e lagos conspiram para a reflexão e meditação sobre a vida. O jardim foi um presente da comunidade japonesa da cidade em 1967.



Bem no centro do parque, a Campana de la Paz toca todos os anos no dia 21 de setembro para comemorar o Dia da Paz Mundial.


Preço da entradaAR$50 (R$13,89)
Horário de abertura: 10h00-18h00.


MALBA (Museo de arte latinoamericano)

O MALBA é cercado de muita badalação, afinal é um dos melhores museus particulares do país. Foi aberto em 2001 para exibir a "coleçãozinha" do milionário Eduardo Constantini. 



De destaque, encontramos obras de pintores argentinos famosos, como Antonio Berni, Jorge de la Vega, Leon Ferrari e Xul Solar, e latino-americanos, como Frida Kahlo, Fernando Botero, ...



... e a nossa Tarsila do Amaral com o seu inconfundível Abaporu.



Você irá encontrar muita agitação no museu, e ele é mesmo um dos mais festejados de Buenos Aires. É imperdível para quem gosta de arte moderna. Aproveita e dá uma olhada se o registro da nossa visita ainda está lá na parede.



Preço da entradaAR$60 (R$16,67)
Horário de abertura
Quarta-feira das 12h00-21h00 (ingresso mais barato)
Quinta-feira a Segunda-feira das 12h00-20h00
Terça-feira fechado.


Museo de Arte Decorativo

O museu fica localizado no Palácio Errázuriz construído em 1918, bem no limiar entre Palermo e a Recoleta. Ele é uma preciosidade no estilo francês (beaux arts). É o único grande museu de artes decorativas do país, com um acervo de mais de 5 mil peças.



Há uma grande diversidade no seu acervo, desde pratos de porcelana, pinturas renascentistas a obras de El Greco e Auguste Rodin. Suas preciosidades pertenceram à família Errázuriz-Alvear e a outras famílias ricas de Buenos Aires.



E nós pensávamos que era somente um museu de xicrinhas ... (kkk)


Você pode aproveitar também o ótimo café localizado nos seus jardins.

Preço da entradaAR$20 (R$5,56) Terça-feira grátis
Horário de abertura
Terça-feira a Domingo das 14h00-19h00.



Palermo Viejo

Nosso passeio começa na Piazoleta Cortazar (antiga Plaza Serrano), o coração do Palermo SoHo. O entorno da região é recheado de lojas de roupas transadas, decoração de vanguarda e estúdios de arte. A praça recebe também uma feira de artesanato nos finais de semana.

A arquitetura da região é tipicamente espanhola do início do século XX, época em que era essencialmente residencial. E o que já foi o lado pobre do rico bairro de Palermo começou a mudar nos anos 1970 quando caiu nas graças dos psicanalistas portenhos e ficou conhecido como Villa Freud. Só que muito mais ainda estava por vir: Palermo Viejo se tornou o maior polo de criatividade de Buenos Aires.

Dica de caminhada: fazer o percurso entre as praças Cortazar e Palermo Viejo, explorando a Calle Honduras e transversais.

Para quem adora umas comprinhas, a Av. Córdoba (entre a rua Lavalleja e a avenida Juan B. Justo) concentra outlets de grifes famosas.

Separado do seu irmão SoHo pela linha do trem, Palermo Hollywood ganhou este nome depois que foi escolhida para sediar o estúdio de uma tv local e virou locação de várias gravações, mas acabou se tornando mesmo reduto de restaurantes sofisticados, como o nipo-peruano Osaka, o francês Christophe, o vietnamita Green Bamboo e o nórdico Olsen.

Para terminar nosso passeio voltamos à Plaza Cortazar no Palermo SoHo. Ela é recheada de bares e restaurantes, vida noturna intensa, muito legal para finalizar o dia ou mesmo a sua viagem.




Las Cañitas

A antiga região de cana-de-açúcar da época do ditador Rosas se tornou o reduto noturno da juventude descolada de Buenos Aires. Suas ruas sem saída acabam propiciando tranquilidade e se tornando um ambiente fértil para o surgimento de butiques, bares, restaurantes e apartamentos para os mais abonados.



Vai viajar para Buenos Aires? Então confira nossas dicas.

Não sabe em que bairro vai se hospedar? Tire aqui suas dúvidas.


Acompanhe outras publicações da nossa viagem pelo Uruguai e Argentina.



#Argentina #BuenosAires #Palermo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...