sábado, 3 de agosto de 2013

Viagem à Paris - Dicas

Escrever sobre Paris traz um misto de medo e insegurança de cair nos clichês ou se tornar chato e repetitivo. Mas não vou fugir da minha responsabilidade em trazer para vocês meu ponto de vista sobre uma das cidades mais vistas e faladas no mundo.


Você também poderá encontrar aqui algumas indicações preciosas de sítios que utilizei para o planejamento da minha viagem.

Vamos às dicas!


Onde ficar

Primeiramente será bastante útil que você aprenda a se localizar. Isto não será difícil, considerando que Paris não é muito grande. São 105,40 Km.2 (Recife possui 217,49 Km.2 ) divididos em 20 arrondisements, ou distritos, distribuídos em forma de caracol da numeração menor e mais central até o último mais distante. Por exemplo, o Louvre fica no 1o. arrondisement bem perto da Île de la Cité onde se localiza o marco zero da cidade (Place Parvis, em frente da Catedral de Nôtre Dame).

Tenho um alerta para quem pretende comprar um pacote numa agência de turismo. Muitas vezes os preços promocionais escodem hotéis longe do centro. Eu mesmo já passei por isso há alguns anos quando fiz várias cotações de passagem e hotel para Paris numa das maiores agências de viagens do país e todos os hotéis ficavam a partir do 17o. arrondisement. Se é melhor preço que procura vale a pena, mas se quer conforto e comodidade fique atento.

Se vai chegar ou sair de Paris de trem, você pode ficar perto das grandes estações (ou "gares") para facilitar sua locomoção. Sugiro que você observe antecipadamente a estação que você irá chegar/sair da cidade.

Consulte as opções de trens no sítio da SCNF.

As estações mais importantes são:

Gare Saint Lazaire - 8o. arrondisement
Gare du Nord - 10o. arrondisement
Gare de Lest - 10o. arrondisement
Gare de Lyon - 12o. arrondisement 
Gare d'Austerlitz - 13o. arrondisement

Tenho um cuidado especial quando escolho um hotel próximo das grandes estações para que ele não fique localizado na sua lateral, tanto por causa do barulho quanto pelo fluxo de pessoas de todas as origens e intenções possíveis. Durante o dia isto não é problema, mas na hora de chegar ao hotel para dormir você entenderá do que eu falo.

Se a sua passagem pela cidade será rápida, o tempo é seu inimigo e por isso convém observar a localização do que irá conhecer e as linhas de metrô próximas para não perder tempo durante o trajeto ou trocando de metrô. Entenda isto como um refinamento da sua escolha de estadia, pois as linhas se entrelaçam e permitem que façamos baldeações sem dificuldades. 

Há opções econômicas de hotéis em bairros intermediários. Na minha última viagem optei por ficar no Ibis Avenue d'Italie no 13o. arrondisement. Optamos por um hotel com café-da-manhã puramente por economia de tempo, visto que a cidade é repleta de boas opções de refeição matinal, como as boulangeriesAlém da Place d'Italie nos dar flexibilidade para deslocamento de metrô, ainda possui várias opções econômicas de restaurantes que utilizamos bastante principalmente à noite. 


Transporte

O melhor de Paris é conhecê-la a pé. Se você não tem nenhuma incapacidade física, deixe a preguiça de lado e use o meio de transporte que Deus te deu, ou seja, seus pés.

Para distâncias maiores, use a rede ferroviária. São 212 Km. divididos em 5 zonas de linhas de trem e metrô que cobrem toda a cidade. Os pontos de interesse mais importantes ficam todos na zona 1, mas há algumas exceções, como o Palace de Versailles e o aeroporto de Orly que ficam na zona 4, e o aeroporto Charles de Gaulle e a Eurodisney, ambos na zona 5. Para estes casos, você precisará comprar o tíquete específico.

As opções de tíquetes individuais e cartões de transporte são as seguintes:


Ticket t+: permite acesso à rede de transporte localizada na zona 1. Pode ser comprado o pacote de 10 unidades com desconto;

Le billet "origine-destination": dá acesso à rede de transporte fora da área coberta pelo t+;

Paris Visite: permite acesso a toda a rede de transporte nas zonas pré-determinadas pela quantidade de dias contratada;

Navigo Découverte: permite acesso por uma semana à rede de transporte da zona contratada. Atenção que a validade vai sempre da segunda-feira ao domingo da semana seguinte. É necessário uma foto para a emissão da carteira, o que normalmente pode ser feito na proximidade das estações.

Faça sua escolha de acordo com seu planejamento de viagem. Se você pretende se locomover pouco, opte pelo t+, mas não exite em adquirir o Paris Visit ou o Navigo se há risco de ficar de um lado para outro da cidade ou se você não quer se preocupar com planejamento.

Na minha última viagem em abril deste ano, optei pela compra dos tíquetes individuais em pacotes de 10 (ticket t+). Ao custo de 1,30 euros com uma média de 4 viagens por dia, ficou mais em conta que o Paris Visit e o Navigo. Se seu modelo de viagem é parecido com o meu e você pretende planejar o que irá conhecer de acordo com a proximidade entre os pontos de interesse, dificilmente utilizará mais que isso.

Ainda sobre a rede de transporte, tenha sempre em mãos um mapa da rede ferroviária que isto irá facilitar bastante a sua localização. Uma boa dica é o mapa do Top 10 Paris Publifolha, bastante prático e de tamanho adequado.

Para maiores detalhes, visite os sítios da Rede ferroviáriaParis PassNavigo e do SCNF (passagens para fora de Paris).


Museus

Como na maioria das capitais e cidades importantes da Europa, Paris também tem seu cartão de entrada irrestrita aos museus. É o Paris Museum Pass e ele dá acesso a mais de 55 museus e monumentos da cidade, ficando de fora apenas a Tour Eiffel.

Entretanto, é importante fazer algumas observações para você não perder dinheiro:

O cartão parisiense é vendido nos escritórios de turismo para ser usado em 2, 4 ou 6 dias, ao custo de 39, 54 e 69 euros respectivamente;

A validade do cartão começa no momento que você faz o primeiro uso e termina ao final do último dia. Observe que a anotação é feita no cartão manualmente na primeira utilização e não consta a hora, portanto é melhor começar a usá-lo no início do dia;

Planeje os locais que você irá visitar de forma a não perder tempo com transporte, assim você conseguirá visitar o maior número de lugares num menor tempo;

Se você pretende curtir cada atração com calma, tenha em mente que a principal vantagem do cartão não será economia e sim o acesso às atrações sem as filas de compra de ingresso e a possibilidade de entrar e sair quantas vezes quiser.  

Quando estivemos lá neste ano passamos "apenas" 30 min. na fila do Palace de Versailles graças ao cartão e pudemos entrar e sair do Louvre várias vezes, permitindo almoçar fora do museu, relaxar um pouco e voltar para a maratona que é visitar um dos maiores e mais importantes museus do mundo.

E que tal chegar ao final do dia e gastar o restinho das energias no Louvre ou no D'Orsay? Pois é, o Louvre abre às quartas e sextas-feiras até às 21h45, enquanto o D'Orsay abre nas quintas-feiras até o mesmo horário. O cartão permite que você faça isso sem custo extra.

Para mais detalhes sobre o cartão, visite o sítio do Paris Museum Pass.


Horário das lojas

Confesso que nunca entendi o horário das pequenas lojas não só de Paris, mas de toda a França. Aparentemente eles fecham e abrem quando bem entendem. Fique atento.

Um bom exemplo disso foi o que passei na loja do museu de Le Mans. Enquanto eu visitava o museu, a atendente foi embora e fechou a loja. Acabei ficando sem os meus presentes (que eu pretendia dar para mim mesmo).



Outros sítios interessantes

Um comentário:

  1. Parabéns...vou seguir as orientações quando voltar lá com Gustavo.Bjs,Passi.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...