domingo, 14 de julho de 2013

Vale do Loire (Blois e Chambord)

Chateau de Chambord
Chegamos finalmente a uma das melhores partes da viagem: os castelos do Vale do Loire

Passamos os dias 26, 27 e 28/3 numa das regiões mais lindas que já tivemos a oportunidade de conhecer. Recomendamos que você reserve pelo menos 3 dias, senão ficará com o coração apertado de quem deixou tanta história e beleza para traz sem ter aproveitado devidamente. 

Nossa experiência nos mostrou que é possível visitar confortavelmente 2 castelos por dia, no máximo 3, pois é até uma obrigação curtir cada momento desta maravilhosa viagem sem ser contaminado pelo corre-corre do dia-a-dia moderno. Afinal, você estará num dos países mais cheios de cultura do mundo.

Como comentei no post anterior, nossa cidade base foi Tours, muito mais por sua localização geográfica do que pelos seus atrativos.

Elaborei os roteiros de acordo com a localização geográfica dos castelos. Como tivemos 3 dias, foram 3 roteiros distintos. Aqui neste post, descrevo o primeiro roteiro.

Vamos a eles!


Roteiro 1 - Nordeste de Tours

Primeiramente segue a dica para quem está em Paris e quer sentir o gostinho dos castelos do Vale do Loire. Saiba que você estará a aproximadamente 180 km. dos dois principais castelos deste roteiro. Com um pouco de vontade, dá até para fazer um bate-e-volta de um dia.




Blois

O que mais me impressionou em Blois foi a mistura arquitetônica deste castelo. Mesmo que você não seja das áreas de arquitetura, artes ou afins, vai ficar boquiaberto como pode haver uma mistura tão grande de estilos num mesmo monumento.

São 4 estilos:
Gótico (séc. 13), Gótico/Renascentista (ala Louis XII - séc. 15), Renascença (François I - séc. 16) e Clássico (Gaston d'Orleans - séc 17).



Desde o século IX já se falava de um castelo em Blois, mas foi no século X que Thibaud "Le Tricheur", Conde de Blois e dono de Tours e Chartres, iniciou a história tão rica deste lugar. 



O final da época de ouro de Blois se deu no séc. XVII depois da criação de Versailles por Louis XIV.

Os destaques:

Salle des États

É a única parte do séc. XIII que resistiu até hoje, mas é a maior e mais bem preservada sala gótica da França. É difícil destacar alguma coisa nesta sala, seus arcos, colunas, piso, tudo merece a nossa atenção.

Louis XII

Observe o porco espinho, marca registrada do monarca, espalhado pela ala construída na sua época.



Escadaria François I (Francisco I)

Vá se acostumando com o símbolo da salamandra em destaque por onde François I deixou sua marca, e esta bela escadaria não é exceção. Construída entre 1515 e 1524, é uma obra prima da renascença francesa e há suspeitas que foi projeto de Leonardo da Vinci.



Quarto de Henri III

Veja a riqueza de detalhes das paredes, colunas, cama (pequena para um monarca, não acha?) etc.



Olha a marca da salamandra que eu falei!


Quarto e estúdio de Catarina de Médici

Segure o queixo com os detalhes das paredes e do teto do quarto da rainha. Diz-se que foi que aqui que ela morreu em 05/01/1589. Observe o monograma onipresente de Henri II e Catarina, composto de um "H" e um "C" entrelaçados. O "H" e "D" entrelaçados pertence somente ao rei (Henri Deuxiéme).



No estúdio, tente adivinhar onde estão os 4 compartimentos secretos onde ela guardava seus venenos. São 237 armários no total! 



A mobília

Ela á autêntica e mostra detalhes de um passado muito rico e bastante conturbado, principalmente na época de Henri III.

Show de luzes

Se sua viagem ocorrer de abril a setembro, saiba que terá a oportunidade de assistir ao seu show de luzes.



Maiores detalhes no sítio do Chateau de Blois.

Se você tiver tempo, aproveite um pouco mais de uma das cidades mais belas do Vale do Loire, herança de uma época em que ela foi domínio real e soube preservar muito bem sua história. Você verá que ela vale a pena não só pelos seus monumentos, mas também pelo seu relevo, suas construções e no cuidado que ela foi preservada.





Chambord

O mais famoso e visitado castelo do Vale do Loire, Chambord impressiona muito, principalmente pelo tamanho, obra do exagero de François I (o da salamandra, lembra?). 

Terminado em 1537, chegou a ter 1800 trabalhadores no canteiro de obras para construir uma imensidão de 440 cômodos em 5.443 hectares cercada por uma muralha de 32 km. e que por ironia passou pouco tempo ocupado pela realeza. O abandono do castelo é explicado em parte pelo frio da região. Tivemos o gostinho desagradável de sentir, mesmo estando no início da primavera.

A extravagância do rei chegou ao ponto dele querer desviar o Rio Loire para passar na frente do castelo, mas foi convencido em aceitar "apenas" o desvio do Rio Cosson. Só de imaginar que originalmente foi construído para ser só um local de caça, dá para ter ideia do tamanho do exagero.

Apesar de Leonardo da Vinci não ter participado diretamente da sua construção, pois ela foi iniciada 4 meses depois da sua morte, sabe-se que ele deu contribuição marcante para o projeto, com destaque para a escada de François I.

Se você vai por uma agência de turismo, saiba que a maioria delas não dá tempo suficiente para entrar no castelo, o que considero uma pena. Apesar da maioria dos aposentos ser desprovida de decoração (são 90 leitos com decoração, de um total de 440), vale a pena sentir a grandiosidade de Chambord, não só por fora, mas por dentro também.

Faça como nós e comece seu passeio dentro do imenso castelo pelo filme que mostra a história da construção.

Os destaques:

Grande escadaria de François I

O projeto de Leonardo da Vinci tem construção em dupla espiral de forma que quem sobe pode não cruzar com quem desce.



Quarto de Louis XIV

Localizados dentro do conjunto de aposentos do Rei Sol, observe a decoração suntuosa somente para o rei dormir e acordar. Haja protocolo!



Quarto de François I

O destaque é a sobriedade comparada com o de Louis XIV.

A salamandra de François I

Ela aparece mais de 800 vezes por todo o castelo!

Quarto da rainha

Muito sóbrio também, talvez reflexo da época.

Quarto do Conde de Chambord

Observe a riqueza de detalhes da cama, principalmente do dossel. Dá para entender porque morria tanta gente de infecção respiratória.

Terraços e torres

A imensidão do vale é linda. De lá pudemos avaliar a grandiosidade de Chambord. 
Observe que as torres são todas diferentes.
Imperdível!



Salas da guarda

As Salas da guarda são em formato de cruz grega e ficam em volta da grande escadaria. Eram palco dos bailes e apresentações teatrais. 



Um alerta: só achamos um banheiro no castelo, e fica do lado de fora.

Maiores informações, visite o sítio de Chambord.


Outro castelo importante da região

Cheverny

Seus destaques são o quarto do rei e a história de D. Quixote na sala de jantar. 
Não tivemos tempo para conhecê-lo, mas, se puder, aproveite que está próximo para fazer uma visitinha.


Próximo post continuaremos a narrativa da nossa maravilhosa viagem por uma das regiões mais interessantes da França.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...