sábado, 13 de julho de 2013

Vale do Loire (Tours)


Chegamos ao esperado Vale do Loire no dia 25/03 partindo de Bordeaux. Escolhemos como base para nossos passeios na região a cidade de Tours devido à sua localização central em relação aos castelos que iríamos visitar.


Ex-capital francesa de 1461 e 1550, a cidade foi bastante bombardeada pelos prussianos em 1870 e durante a 2a. Guerra Mundial, mas ela tem seus atrativos. 

Começamos nosso passeio na Place Jean Jaurès e admiramos o belo prédio do Hôtel de Ville (Prefeitura). Havia uma exposição temporária de fotos da história da cidade na ocasião. 



Aconselho você a prosseguir em direção a Gare de Tours (estação de trem) e fazer uma "visitinha" ao Office de Tourisme. Ele fica logo em frente à estação e é de muito fácil acesso. É lá que você deve comprar seus ingressos para os castelos se quiser fazê-lo com descontos e ainda ser poupado de algumas filas, o que, considerando a época do ano e o castelo, podem ser bem cansativas. Por isso, defina quais castelos pretende visitar antecipadamente e ajuste a relação lá no Office de Tourisme.

Veja os preços no sítio do Office de Turismo.



Saindo da estação de turismo, andamos mais um quarteirão pelo Boulevard Heurteloup até a Rue Jules Simon e entramos à esquerda. Nossa próxima parada foi no antigo Palácio dos Arcebispos, hoje Musée des Beaux-Arts de Tours. 

Mais à frente, encontramos a Cathedrale St-Gatien. Construída entre os séculos 13 e 16, impressiona pela fachada em gótico flamboyant e pela quantidade de vitrais que contornam toda a igreja.





Prosseguimos nossa caminhada pela Rue Lavoisier e entramos à esquerda na Rue Colbert. 

Se você desejar, entre na Rue Nationale e visite o Musée du Compagnonnage, com obras dos mestres artesãos (compagnons) da idade média. Ao lado ficam a Église St-Julien, que abriga o museu do vinho, e a bela mansão do séc. 16 conhecida como Hôtel Goüin, onde atualmente fica o Musée de Société Archéologique de Touraine. Arqueologia e Arte Renascentista e Medieval são suas especialidades. Não fizemos este trecho porque não era nosso objetivo neste dia, mas se for do seu gosto não perca a oportunidade.

Nossa melhor atração estava um pouco mais a frente continuando pela Rue du Commerce, em seguida à Rue Colbert, bem no centro medieval da cidade: a inusitada Place Plumereau

Observe os inúmeros edifícios construídos com madeirame medieval que abrigam bares, restaurantes e lojas. Em pensar que ela tinha virado um cortiço na década de 1960, vimos o que um trabalho de restauração primoroso pode fazer. Dependendo da época do ano, você a encontrará repleta de turistas e locais.



Bem pertinho de lá, encontramos na Place de Châteaneuf a Tour Charlemagne
Resquício da Basílica de Saint-Martin de Tours, sua primeira construção data do século 11, mas diversos incêndios e reconstruções a modificaram até o séc. 13.



Muito próxima à Tour Charlemagne, encontramos por acaso uma preciosidade: a nova Basilique Saint-MartinFora do roteiro que planejamos, a discreta entrada da igreja não diz realmente o que ela tem de belo no seu interior.



Você verá também a Tour de l'Horloge, antiga torre sul da mesma Basílica. O local mais parece um sítio arqueológico, tamanho foi o estrago dos bombardeios sofridos pela cidade, mas a torre incrivelmente manteve-se de pé.

Para terminar nossos comentários sobre Tours, ficamos hospedados no Ibis Styles Tours Centre, localizado na Place de la Liberté a 1,2 Km. da Place Jean Jaurès. Este hotel nos deu conforto, bom preço e fácil locomoção tanto para o centro da cidade como para fora dela, o que é muito importante considerando que o melhor da região são seus castelos.

Obtenha mais informações no sítio da cidade de Tours.


Continuaremos no próximo post nossos comentários sobre o Vale do Loire, mais especificamente sobre seus castelos.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...